Despertando o gigante que habita seu time

Denilson Grecchi

8 de outubro de 2020

Blog do Grupo Bridge

Desenvolvimento humano, transformação cultural e inovação.
Compartilhe este artigo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A tarefa de um gerente não é modificar os seres humanos. Bem ao contrário (…), a missão é multiplicar a capacidade de desempenho do todo, pondo em uso todos os pontos fortes, toda a saúde, toda a aspiração que existe nos indivíduos.

Peter Druker – No seu livro “O Gerente Eficaz”

 

Tempos atrás recebi o pedido de uma líder para ajudá-la a empoderar seu time para que  pudessem substituí-la. Explico! Ela sairia de licença maternidade em 3 semanas e havia decidido não deixar outro líder no seu lugar. O próprio time seria o líder da área.

É claro que antes de tomar essa decisão a líder se questionou diversas vezes se estava fazendo a coisa certa. Será que o time daria conta da operação e da estratégia da área? Ainda era um time novo, terão maturidade para lidar com os clientes internos adequadamente? E com a alta liderança? Como ficará a imagem da área se alguma coisa não der certo?

Todas essas preocupações são pertinentes e merecem ser ponderadas sim, mas entre a segurança de delegar sua área para um líder experiente ou a coragem de empoderar o time, a líder decidiu dar um passo à frente e assumir os riscos, acreditando que estaria escrevendo um novo capítulo na história da área, daquelas pessoas.

Ok, alguns podem perguntar: mas ela deixou o time na fogueira? Eu diria que sim e não. Nosso combinado foi que eu acompanhasse o time por cinco meses, praticamente durante todo o período da sua ausência, ajudando o grupo a fortalecer seus vínculos internos e criar um ambiente de diálogo que favorecesse a melhor tomada de decisão possível, bem como identificar fortalezas e oportunidades que os ajudasse a lidar com seus desafios. Nesse sentido o grupo não ficou na mão.

Ao mesmo tempo tinham um desafio de negócio imenso. A área era nova e ainda precisava “mostrar serviço” e conquistar a confiança dos seus clientes. Nesse sentido sim, ficaram na mão. Mas aqui é o ponto, um olhar mais otimista dirá que essa foi a grande oportunidade que ganharam de se desenvolver. De mostrarem para a organização sua potência como grupo.

Mas afinal, o que ganharam com tudo isso?

Eu diria que houve ganhos diferentes para a líder e para o time.

Começando pelo time, pude perceber que:

  • Tiveram acesso a novas informações, mais complexas e estratégicas, o que aumentou seu senso de responsabilidade
  • Acessando outros níveis da organização, puderam ver as coisas por outros pontos de vista, ampliando sua compreensão do negócio, das suas principais problemáticas e desafios
  • Ampliaram e fortaleceram muito sua rede de contatos e suporte. Para que pudessem cumprir as entregas acertadas com os clientes tiveram que trabalhar de forma muito afinada e colaborativa. Este item foi muito importante, pois aqui conquistaram a confiança de muitos que ainda não estavam seguros sobre a competência da área
  • Para darem conta dos itens anteriores, tivera que, necessariamente, desenvolver novas habilidades de comunicação, de liderança, de relacionamento e de gestão.
  • Por fim, puderam olhar para suas atividades com um outro olhar, atribuindo novos sentidos para seu trabalho e os motivando para novos desafios.

Já a líder se beneficiou desse processo:

  • Tendo uma maior prontidão do time para resolver as dificuldades do cotidiano
  • Com mais empatia e solidariedade em temas sensíveis para um líder, tal como gestão de pessoas, investimentos e tomada de decisão
  • Recebendo um time mais integrado e com um espaço de diálogo mais maduro, onde futuros temas poderão ser discutidos mais abertamente
  • Por fim, também pode ressignificar sua atividade e olhar para atividades que antes não eram possíveis.

É claro que nem tudo foi fácil e muitas arestas ainda tiveram que ser aparadas no retorno da líder ao grupo. Medos e inseguranças estiveram presente ao longo de todo o processo, mas a possibilidade de termos um fórum para discuti-los ajudou muito a organizar o time nos momentos mais difíceis, e o melhor, permitiu ao time reconhecer os avanços e as vitórias obtidas.

Quero reforçar que não é preciso esperar uma situação especial, como foi essa que relatei, para que você tome a iniciativa de empoderar seu time. Há inúmeras oportunidades no dia a dia que poder ser adequadas para esta finalidade. Basta estar com a mente aberta, com uma dose de paciência e o coração cheio de coragem para se lançar em uma jornada de desenvolvimento.

Se quer uma ajuda sobre como empoderar seu time e valorizar o poder de realização das pessoas, clique aqui e saiba como o DUX pode te ajudar.

E você, como tem despertado o gigante que habita seu time? Conta pra gente!

Um abraço,
Denilson

ESCRITO POR

Denilson Grecchi

Pai dos pequenos Sophia, Lucca e Matteo! Adora tecnologia, uma boa história e não perde a oportunidade de dar um rolé com sua motoca. Psicólogo e Mestre, faz parte do time de consultores do Grupo Bridge.

Artigos Recentes

Artigos

Quem sou eu quando estou contigo

Tem um ditado que diz: “me diga com quem andas que te direi quem és” que se tornou clássico para nossos pais quando eles queriam nos afastar das companhias consideradas como má influência. Eles tinham de fato metade da razão.

Leia mais »
Grupo Bridge 2020 © Todos os Direitos Reservados – GB Design Team
small_c_popup.png

Receba nossas notícias

Bridge News