NÃO DIZER NÃO – UMA MALDIÇÃO CORPORATIVA!

Celso Braga

22 de abril de 2021

Blog do Grupo Bridge

Desenvolvimento humano, transformação cultural e inovação.
Compartilhe este artigo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Esta frase não é minha, e sim de um líder que eu tive a oportunidade de conduzir seu processo de desenvolvimento. Ele a expressou num momento onde discutíamos sobre priorização nos dias de hoje, onde fazer mais projetos, mais atividades e estar envolvido em mais coisas soa como algo “belo” aos olhos da sociedade corporativa.

Pode ser belo, mas aí você vai ao médico e ele diz que você precisa ficar menos estressado, menos ansioso porque sua saúde está com indicadores ruins. Bah! E daí se você é um líder que, ao deitar-se à meia-noite, já está tenso para as coisas do dia seguinte?

Bem, é nesse momento que você descobre que já está “Overused”, ou seja, “acima de suas capacidades físicas e mentais para realizar as coisas”. Traduzindo: você está prestes a entrar em colapso!

Será que vamos primeiro exaurir nossos recursos humanos para só então pararmos para refletir sobre o que fizemos com as pessoas e com a gente mesmo?

Não podemos esperar chegar a esse ponto, principalmente porque é na sutileza do dia a dia que podemos começar a fazer alguma coisa para mudar esta situação. Sim, é possível começar agora a mudar tudo isso.

Você precisa começar a priorizar, já que priorizar significa produzir com qualidade; e não priorizar significa enxugar gelo. E você, claro, deseja um ambiente mais saudável para inovar e para renovar as energias, enquanto entrega resultados, pois, isto sim é sustentável. Correto?

Mas, para atingir isso, é necessário se livrar de algumas crenças e dúvidas. Por exemplo:
Tem medo de dizer não para alguma tarefa e as pessoas te verem como pouco engajado? Você se sente mal por parecer resistente? Acredita que fazer mais e mais vai te fazer ser bem visto?

Se sua resposta foi sim para essas dúvidas, espere até o burnout te pegar e veja se isto ainda será verdade ou relevante para você.

Não pense em você com energia e capacidades ilimitadas, nem deixe pensarem a empresa assim, não é algo verdadeiro, todos temos limites.

De modo algum sou adepto da baixa performance e da indolência na hora de realizar, acredito piamente que entregar em alto nível é condição para ser um profissional de ponta, mas isso não significa ter que ir além do limite, como se não houvesse um ponto de ruptura. Cada pessoa precisa cuidar dos seus próprios limites e os líderes precisam cuidar tanto dos seus quanto dos de seus liderados, além de cuidar da cultura da empresa neste quesito. Por isso, priorizar é um ato coletivo e não individual, a questão primária é: Até onde precisamos e podemos ir?

Vamos às leis universais que podem te ajudar a seguir melhor e fugir desta maldição:
1 – A vida bem vivida é pensada, logo é preciso acertar os padrões mentais – Tenha clareza de que não é bonito ficar superocupado, isto não é ser um bom profissional;
2 – O que está no seu comportamento está no comportamento da empresa – Se você está se sentindo culpado, angustiado e assolado com milhares de tarefas e projetos, então todos devem estar. É este o modelo que desejam?
3 – Nada está parado, tudo tem movimento – Se vocês não estão priorizando e estão deixando a angústia, a culpa e o estresse se instalarem, então estarão todos nesta mesma vibração. Qual a VIBE que vocês querem?
4 – Tudo está em opostos – Se estão superocupados pode haver aqueles que não estão nem aí com as coisas, um superocupado pode ter como seu oposto alguém totalmente desligado de tudo, fazendo só o mínimo, aí está uma zona de conflito clara. A virtude está no meio, no equilíbrio.
5 – O ritmo está presente – Se estão atolados de coisas para fazer, haverá momentos que oscilarão por não conseguir fazer nada, pois o esgotamento será iminente. É preciso achar estabilidade, minimizar grandes oscilações e encontrar um ritmo saudável de trabalho.
6 – Se quer mudar o que acontece hoje, precisa pensar e agir – Causa e efeito são inerentes às nossas ações. Tudo que você pensa e faz tem resultado direto ou indireto e se adapta a sua vida. Está sobrecarregado e continua aceitando mais coisas para fazer? O efeito será o esgotamento e a baixa criatividade. Dizer não para algumas coisas verá um alívio e te tornará mais efetivo na geração de novas ideias. Em qual destas duas realidades você quer estar?
7 – Tudo é gerado – Inclusive aspectos mentais, físicos e transcendentais – Você não pode ser levado, precisa de pensamento próprio e escolhas para definir seu legado para o mundo. Se você prioriza e foca, e garante essa dinâmica no seu entorno, então as pessoas também atuarão contigo muito mais do que se estiverem esgotadas e sobrecarregadas.

Acabe com a maldição corporativa da hiperocupação e gere melhores resultados e ambientes mais saudáveis e criativos para as pessoas trabalharem.

ESCRITO POR

Celso Braga

O Celso é um obstinado sonhador e realizador. Sócio-diretor do Grupo Bridge, é casado com a Adriana, pai do Lucas e do Mateus. Adora olhar pra frente e construir o futuro.

Artigos Recentes

Grupo Bridge 2021 © Todos os Direitos Reservados – GB Design Team
small_c_popup.png

Receba nossas notícias

Bridge News