“O papel do RH na regeneração das organizações”

Fernanda Macedo

10 de novembro de 2020

Blog do Grupo Bridge

Desenvolvimento humano, transformação cultural e inovação.
Compartilhe este artigo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
“O papel do RH na regeneração das organizações”

O mundo dos negócios deixou de ser linear e passou a ser visto como interligado, cada vez mais complexo e com velocidade acelerada das transformações, onde não temos mais respostas prontas para todas as questões e desafios que surgem de forma incessante…

Até aqui, nada de novo! Certo?

Sabemos também que o foco das empresas, neste momento, está em garantir a segurança financeira do negócio no curto prazo. E, depois desta crise, o mundo não será mais o mesmo, pois empresas irão reduzir ou fechar, abrindo espaço para novos negócios. A grande pergunta é:

Como lidar com um mundo tão pouco linear num momento de crise aguda como a que estamos vivendo?

Além da segurança financeira, a empresa deve focar no senso de pertencimento e engajamento por um propósito maior. Isso porque a crise revela a oportunidade para identificar a razão do negócio existir, energizar seu propósito maior e fortalecer as relações, onde de fato se aproveite as oportunidades que o contexto oferece. Porém, para aproveitar essas oportunidades é fundamental refletir sobre como andam as conexões existentes, repensar o propósito vigente e o modelo de negócio adotado, identificando iniciativas estratégicas que possam gerar valor compartilhado para todos os stakeholders no médio e longo prazo.

E para que isso ocorra, o RH tem um papel crucial: buscar se regenerar primeiro para, então, inspirar o negócio a fazer o mesmo!

Ao olhar para o seu propósito dentro da Organização, o RH passa a perceber como os desafios podem ser resolvidos com a maior participação e envolvimento das pessoas, já que olhar de forma mais humanizada significa ver suas próprias potencialidades e também as potencialidades das outras áreas.

Além disso, reconhecer e usar mais as capacidades das pessoas dentro do próprio RH faz com que tenham a sensação de relevância, importância e pertencimento. Não há nada mais humano que isto: ser incluído, valorizado e se sentir seguro nas relações. Olhar para suas vulnerabilidades, para as próprias potencialidades e estimular que juntos possam buscar respostas necessárias para os desafios deste mundo em constante transformação.

Portanto, um caminho que sugiro aqui é que o RH primeiro se regenere, levando em consideração o sentido próprio da palavra, que significa: RE = “de novo”, e GENERARE = “gerar, criar uma vida”. Desta forma, ele poderá rever seus processos, sua estrutura, sua forma de interação e de contribuição com o negócio. Poderá analisar com quais recomendações e insights vêm participando das tomadas de decisão estratégicas, com quais premissas têm contribuído para que as empresas possam criam suas novas vidas e se regenerar, seguindo em frente!

Que os RHs possam ser uma fonte de inspiração e cuidado para com as pessoas, expandindo essa capacidade de regeneração para todos e cada um, garantindo que a transformação possa de fato acontecer.

A superação desse momento virá via transformação de cada indivíduo que contribui e participa do negócio, e acredito piamente que o RH possa ser o puxador dessa jornada, olhando primeiro para si, para cada um dos indivíduos que participam do RH.

O resultado desse investimento? Pessoas mais engajadas, mais felizes por serem reconhecidas pelas suas contribuições, e que olham para o RH com gratidão, como uma área que faz a diferença, que traz humanidade e de fato coloca as pessoas no centro!

ESCRITO POR

Fernanda Macedo

Artigos Recentes

Autodesenvolvimento

Uma dose de curiosidade para ir além

Você pode construir novos caminhos, ter novas ações e realizar coisas espetaculares indo além, fazendo o que outros não fizeram, mas precisa ser curioso para isto.

Leia mais »
Grupo Bridge 2020 © Todos os Direitos Reservados – GB Design Team
small_c_popup.png

Receba nossas notícias

Bridge News