Saiba porque cuidar da Saúde Mental do seu time pode ser um ótimo negócio

Denilson Grecchi

29 de setembro de 2020

Blog do Grupo Bridge

Desenvolvimento humano, transformação cultural e inovação.
Compartilhe este artigo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Temos observado nas últimas décadas e, em especial nos últimos dez anos, grandes transformações no mundo do trabalho. Novas tecnologias de comunicação e a expansão do acesso à Internet permitem-nos hoje desempenhar nossas funções fora do local de trabalho a praticamente qualquer hora do dia ou da noite. Fato esse vivenciado amplamente durante esse período de Pandemia da Covid-19.

O aumento da competição em todo o mundo levou a uma pressão crescente por eficiência de custos e maior produtividade, forçando os trabalhadores a atualizarem suas competências profissionais tornando-se aptos a incorporarem novas atividades e novas dinâmicas de trabalho, tais como Equipes Ágeis, entre outras. Muitos ainda se viram obrigados a mudarem de organização ou até mesmo de setor para se adaptarem.

A mudança dos ambientes de trabalho, sem dúvida, traz oportunidades de desenvolvimento profissional, ampliação de redes e inovação. Os benefícios dessas mudanças só podem ser aproveitados quando a organização e seus trabalhadores mantém-se “vivos”, adaptando-se e incorporando tais transformações ao seu cotidiano, seja naquilo que produzem ou na forma de se relacionarem interna e externamente. Quando isso não é possível, ou seja, quando as transformações encontram um ambiente de trabalho rígido e inadaptável, que não leva em consideração o bem-estar das pessoas, este pode ser então considerado um ambiente gerador de problemas de Saúde Mental.

Estima-se que a perda de produtividade resultantes da depressão e da ansiedade, dois dos transtornos mentais mais comuns no ambiente de trabalho, custe à economia global US$ 1 trilhão por ano.

A depressão e a ansiedade podem ser classificadas como sofrimentos patológicos, das quais decorrem uma sensação de impotência, de que não é possível dar conta dos desafios impostos pelo cotidiano do trabalho. No entanto, há um outro tipo de sofrimento que pode servir como um motor de desenvolvimento, o chamado sofrimento criativo. Este é causado por algum tipo de desafio que nos coloca em movimento, que exige que utilizemos nosso potencial criativo para resolvermos os desafios do cotidiano e que causa uma sensação de bem-estar quando chegamos a um resultado satisfatório. Em geral, se podemos vivenciar e lidar de forma saudável com o sofrimento criativo é porque gozamos de boa Saúde Mental.

Há muitas definições sobre Saúde Mental, mas de forma geral, todas convergem em descrever Saúde Mental como a forma pela qual uma pessoa reage às exigências da vida e ao modo como harmoniza seus desejos, capacidades, ambições, ideias e emoções. Todos nós vivenciamos diariamente uma série de emoções como alegria, amor, satisfação, tristeza, raiva e frustração. Sermos capazes de enfrentar os desafios e as mudanças da vida cotidiana com equilíbrio e saber procurar ajuda quando temos dificuldades em lidar com conflitos, perturbações, traumas ou transições importantes nos diferentes ciclos da vida, é um sinal importante de Saúde Mental.

E por falar em pedir ajuda, uma problemática comum no ambiente de trabalho é que este ainda se mostra mais competitivo do que colaborativo. E sendo assim, poucos têm coragem de falar sobre suas dificuldades, sofrimentos e angústias. Falar sobre essas questões pode depor contra o indivíduo, pois pode ser entendido como um sinal de fraqueza, de fragilidade, o que não é desejável em um ambiente onde o perfil de super-homem ou supermulher são tão valorizados. Já vemos algumas iniciativas que visam mudar esse cenário e que incentivam o diálogo sobre as vulnerabilidades no ambiente de trabalho.

Outro ponto importante é que, diferentemente da saúde física, onde é possível a cada um se responsabilizar pelo seu estado, seja realizando atividades físicas, tendo uma alimentação saudável ou cuidando do seu sono, a Saúde Mental é uma construção psicossocial e acontece a partir de uma relação. Ou seja, não depende exclusivamente de um indivíduo, mas da influências de todos que compartilham um mesmo espaço de trabalho.

Sendo assim, é possível afirmar que as relações no ambiente de trabalho podem ser responsáveis, ao mesmo tempo, por provocar o adoecimento dos indivíduos ou por criar condições para um desenvolvimento saudável. O trabalho em equipe cria uma rede de proteção extremamente importante para a Saúde Mental do trabalhador. Por isso, o investimento na construção de um ambiente seguro e de equipes com vínculos saudáveis e que estejam disponíveis para a ajuda mútua é tão importante.

O contrário também é verdadeiro. Quanto mais isolada, seja pelo seu tipo de trabalho ou pela exclusão do seu grupo de trabalho, mais a pessoa se fragiliza, estando mais propensa ao sofrimento e ao adoecimento.

E qual a importância do Líder neste cenário?

Por ser uma figura de muita influencia e que possui uma visão mais ampla da organização e do seu time, e ser o principal gerador de cultura, o líder é um personagem-chave no cuidado da Saúde Mental. O líder é o grande responsável por validar a forma como as coisas são feitas em um determinado ambiente e isso pode significar a reprodução de práticas que promovam o bem-estar e, consequentemente a Saúde Mental, ou que promovam o sofrimento e possível adoecimento, como a exclusão, assédio ou o preconceito, por exemplo.

Temos que nos atentar que um time nunca adoece sozinho. Um time doente pode indicar um líder que também precisa de ajuda. Por isso, é importante que questões de Saúde Mental estejam constantemente na agenda das organizações para que possam ser observadas, identificadas e devidamente tratadas.

Dentre as várias contribuições de um líder para a Saúde Mental da sua organização e, especialmente, do seu time, reuní as 5 contribuições que entendo serem as mais importantes para a construção de um ambiente de trabalho saudável, são elas:
Atualização do ambiente do trabalho e estilo de gestão frente às transformações sociais: As transformações sociais antecedem as transformações das organizações. Estar atento a elas e incorporar as que forem necessárias para se evitar grandes incoerências ou mesmo conflitos, tanto na organização quanto no seu time, tem uma grande importância na preservação da Saúde Mental.
Criar e conectar propósitos: Uma das grandes causas de sofrimento no trabalho é a perda do sentido daquilo que se faz. Uma organização com propósitos claros contribui para que seus líderes possam ajudar as pessoas a se identificarem e se conectarem a eles. Trabalhar por um propósito maior e se sentir realizado no que faz é altamente motivador e permite as pessoas darem o seu melhor, se desenvolverem e criarem um ambiente positivo em torno de si.
Reconhecimento do trabalho: Em se tratando de trabalho, podemos dizer que uma pessoa se reconhece naquilo que produz. Ignorar o trabalho de alguém é o mesmo que ignorar a pessoa, tornando-a invisível em seu próprio ambiente de trabalho, o que pode causar grande sofrimento. Ainda que um trabalho realizado precise de ajustes, é importante sinalizar as melhorias necessárias, mas não deixar de reconhecer sua existência e valor para a organização e para a sociedade.
Atuar na criação de uma rede de suporte: O trabalho em equipe cria uma percepção de suporte, fortalecendo e encorajando as pessoas a enfrentarem seus desafios diários. Saber que há com quem trocar experiências, compartilhar dificuldades, pedir e receber ajuda é muito importante pra a manutenção da Saúde Mental. Esta rede não deve se limitar ao próprio time, mas deve ser expandida de acordo com as necessidades por toda a organização ou determinados segmentos da sociedade. Cabe ao líder investir e incentivar a criação de um time-base e/ou expandido que suporte seus membros em suas necessidades intelectuais e emocionais.
Abrir espaço para conversas individuais: Além de uma rede de suporte, é igualmente importante, o indivíduo ter um espaço seguro para compartilhar seus sentimentos, preocupações e angústias. Ao líder cabe a responsabilidade de acolher o indivíduo em suas necessidades, orientar e identificar os meios pelos quais seu time e/ou a organização podem lhe ajudar.

Resumido, as transformações no mundo do trabalho são bastante positivas e podem gerar muitas oportunidades de desenvolvimento e inovação. A sensibilidade e a proatividade dos líderes no cuidado com a Saúde Mental das organizações, através dos seus times, garante um ambiente saudável, fundamental para que essas mudanças possam ser aproveitadas ao máximo!

E você líder, o que tem feito para cuidar da Saúde Mental da sua organização ou do seu time? Compartilhe conosco.

Um grande abraço,
Denilson

ESCRITO POR

Denilson Grecchi

Pai dos pequenos Sophia, Lucca e Matteo! Adora tecnologia, uma boa história e não perde a oportunidade de dar um rolé com sua motoca. Psicólogo e Mestre, faz parte do time de consultores do Grupo Bridge.

Artigos Recentes

Grupo Bridge 2021 © Todos os Direitos Reservados – GB Design Team
small_c_popup.png

Receba nossas notícias

Bridge News