Sinto, logo existo!

Janice Gonçalves

8 de julho de 2020

Blog do Grupo Bridge

Desenvolvimento humano, transformação cultural e inovação.
Compartilhe este artigo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Sobre a ampliação da consciência

Se as emoções são o caminho para a ampliação da consciência, a pergunta é:
Onde quero chegar?

Não há uma resposta certa, mas sim a resposta que faz sentido para cada um. Então, vou escrever este texto com base na minha resposta:
“Ser uma pessoa cada vez melhor!”

Sob este ponto de vista, não importa o ponto final e sim o caminho. Na melhor expressão da metafísica!

E ao ousar percorrer este caminho, descobri o papel fundamental das emoções. Isso porque elas promovem reflexões transformadoras que levam à ampliação da nossa visão sobre as coisas, o que nos permite decidir e agir de forma mais consciente.

Ainda no processo, agir leva às experiências, que por sua vez geram aprendizados. E quanto mais significativos os aprendizados, mais profundos, transformadores e relevantes para nossa vida!

Pois bem, vamos ao caminho…

Como a ideia é sentir, fui me dando conta de como os eventos da minha vida despertavam meus sentimentos. Não pensem que logo de cara consegui catalogar, descrever e dominar… O que, aliás, é um erro!

A nossa cultura e educação nos ensinam a sermos seres racionais no melhor exemplar do penso, logo existo.

Nada contra, a razão é essencial para o desenvolvimento humano, mas é o terceiro passo. Aprendi que evoluir no quesito maturidade, significa não pegar atalhos.

O primeiro passo é perceber, se colocar num estado de espírito no qual esteja conectado consigo mesmo, com a sua vida e as pessoas próximas. Como alguém que está caminhando, interrompe a viagem para beber água na fonte e se dá conta do seu reflexo espelhado…

Quase que simultaneamente vem o segundo passo. Ele traz consigo a sensação de experimentar um turbilhão de emoções, vezes agradáveis e por vezes bem desagradáveis, que podem nos fazer achar que a experiência não vale a pena.

Permita que as emoções apareçam no seu estado natural, sem a obrigação de ter que dar conta de compreendê-las rapidamente ou reagir de forma impulsiva. Acredite, pode parecer uma eternidade, mas ao dar esse espaço para suas emoções, elas logo se acomodam e você vai perceber que naturalmente vão te despertar à consciência.

Nesta condição, janelas de reflexão se abrirão e te farão buscar primeiro o sentido das coisas. E, sobre o sentido das coisas não estou dizendo sobre ter que encontrar o propósito da sua vida, nada disso!

Buscar o sentido das coisas é deixar que a consciência espontânea abra seus olhos e te faça ver coisas que não via antes. Gostaria muito de ter alguma experiência comum para poder comparar, de modo que você sinta o que quero dizer, então te convido a lembrar de algum momento da sua vida em que você sentiu que “a ficha caiu” ou disse “poxa, como eu não vi isso antes”!

É isso, só que mais intenso! Como se você tivesse absoluta certeza do que está vendo pela janela da reflexão. Momento em que percebemos como nós e os outros sentem, o que fazemos com que sentimos e os impactos que provocamos uns aos outros. E acredito que a recompensa de se lançar ao desconhecido é o despertar da consciência de que somos seres protagonistas.

Agora sim – e só agora – vem o terceiro passo, o da razão. Aquela bem cartesiana, recheada dos nossos conhecimentos, que nos dá instrumentos para decidir sobre como lidar seja lá com o que estejamos refletindo no momento.

Uma vez decidido, estaremos prontos para agir. Sim, entrar em ação é somente o quarto passo. E é justamente o passo que nos habilita a colocar em prática esse novo olhar, como uma excelente oportunidade de dar respostas novas aos velhos problemas da nossa vida.

E como a própria ciência diz que para toda ação há uma reação, os resultados das nossas experiências geram aprendizados que nos levam gradativamente rumo à maturidade, e nos faz pessoas cada vez melhores.

Nós, aqui do Grupo Bridge, somos apaixonados por construir projetos que proporcionem a experiência da reflexão transformadora. E as emoções sempre tiveram espaço livre no ambiente de cocriação que construímos.

Sabemos na prática como o caminho da ampliação da consciência é prazeroso e temos a certeza de que o sentir nos faz existir!

E você, o quanto sente-se vivo?

ESCRITO POR

Janice Gonçalves

Tia coruja do Gustavo e da Larissa, minha rotina é construir a lógica das coisas e transformar em soluções. Fora isso, meu negócio é viajar, conhecer gente e um bom rock’n roll.

Artigos Recentes

alta performance

Desenvolvendo o Pensamento Crítico

Para resolver problemas complexos deve-se somar à capacidade analítica uma boa dose de curiosidade e criatividade! Desta forma, novas conexões podem ser feitas, motivando novas respostas para problemas novos ou mesmo para os velhos problemas que ainda não foram resolvidos. Nós sabemos que uma postura curiosa precisa estar acompanhada de uma boa dose de autoconfiança para que medos e inseguranças não bloqueiem uma postura investigativa e uma maior exposição frente aos diferentes meios, contextos e hierarquias.

Leia mais »
ágil

O FUTURO: UM MUNDO VELOZ!

Precisamos resolver os problemas com a velocidade, e isso significa levar em conta o conceito de agilidade, que diz que tem de ser no tempo necessário para que algo chegue lá. Não dá para fazer um bolo com menos de 40 minutos de forno, nada fará ele assar mais velozmente, então ágil é fazê-lo neste tempo. Não dá para ser mais veloz. Por que será que você acha que deve tomar qualquer decisão já, imediatamente, para ser veloz? Às vezes você precisa esperar o tempo de “forno” para ser realmente ágil, ao invés de apressado, com as coisas que precisam ser resolvidas.

Leia mais »
Grupo Bridge 2020 © Todos os Direitos Reservados – GB Design Team
small_c_popup.png

Receba nossas notícias

Bridge News