Você investe tempo em diagnóstico?

Fernanda Macedo

10 de outubro de 2019

Blog do Grupo Bridge

Desenvolvimento humano, transformação cultural e inovação.
Compartilhe este artigo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
“Se eu tivesse uma hora para resolver um problema e minha vida dependesse da solução, eu gastaria os primeiros 55 minutos determinando a pergunta certa a se fazer, e uma vez que eu soubesse a pergunta, eu poderia resolver o problema em menos de 5 minutos.” Albert Einstein.

Sim, quando falamos em investir tempo, energia e recursos para resolver problemas organizacionais através de treinamento, desenvolvimento e iniciativas de capacitação de equipes, a etapa de Diagnóstico é a mais importante e é o que determinará intervenções assertivas que resultarão na resolução efetiva. Porém, há 10 anos atuando como especialista em fortalecimento de times e evolução da cultura organizacional, muitas vezes observo que o plano de ação foi já sugerido e colocado em prática e o relato que ouço é: “Já fizemos muitas ações e não vejo mudanças, o problema persiste. O que estamos fazendo errado ou deixando de fazer?”.

Quando pergunto sobre qual problema está resolvendo, respostas comuns são: “não sei bem qual é o problema, sei que estamos focados e fazendo muitas ações”, ou “acho que é porque deste ocorrido ou daquele acontecimento, mas não temos certeza.” Então fica evidente que a clareza do problema e o impacto nas pessoas e negócio não estão definidos.

Com tantos compromissos e prioridades, custo reduzido, pouco espaço nas agendas, cultura cristalizada para algumas situações de mudança, se aprofundar nos problemas não é uma situação atrativa. Porém, quando não nos debruçamos nas situações para compreendê-las de fato, envolvendo as pessoas corretas, com ferramentas e método adequados, certamente a definição do problema será enviesada, o resultado desejado não virá e o retrabalho acontecerá.

É preciso rejeitar a falsa sensação de que estamos fazendo o que é preciso simplesmente por estarmos realizando ações e fazendo os envolvidos se ocuparem bastante com o tema. Estar ocupado com o tema realizando diversas atividades e iniciativas não significa necessariamente estar resolvendo a questão. Muitas vezes, as ações estão desconectadas ou sem coerência. Parecem úteis e são atrativas para nos enganar nesta armadilha de que já estamos fazendo tudo que podemos, mas não se resolve a problemática de fato e a repetição persiste.

Por fim, a minha recomendação é separar um tempo na agenda e envolver pessoas, ferramentas e métodos adequados para resolver essa primeira e fundamental etapa. Um diagnóstico eficaz, que cerque o problema, muitas vezes, nos surpreende ao mostrar que, em determinadas situações, o que nos fará alcançar o resultado desejado é uma solução simples e não necessariamente um excesso de iniciativas paralelas. Para isto, temos a expertise para aprofundar e entender as situações, fazendo as perguntas certas e propor as intervenções adequadas para cada cenário.

Você conhece o RH CheckUp? É uma ferramenta exclusiva (e gratuita!) para profissionais de RH como BPs, Gerentes, Coordenadores e Analistas de T&D, que te ajuda a fazer as perguntas certas e descobrir o tipo de iniciativa que deve ser o foco de suas ações de treinamento. Ao final, você recebe um feedback com recomendações para alcançar seus resultados.

Acesse AQUI.

ESCRITO POR

Fernanda Macedo

Artigos Recentes

Liderança e Autodesenvolvimento

O futuro desejado é fruto do que plantamos hoje

Olhar para o futuro é algo que qualquer pessoa faz, pulamos sete ondas na passagem do ano e pensamos no que vamos querer que aconteça no próximo ano. Desde pequeno, você é indagado sobre o futuro, em casa alguém certamente já te perguntou o que iria ser quando crescesse, chegando ao ensino médio “o que vai fazer na universidade?”.

Leia mais »
Grupo Bridge 2019 © Todos os Direitos Reservados – GB Design Team
small_c_popup.png

Receba nossas notícias

Bridge News